Prevê-se que o sector atinja um volume de negócios de 3,8 mil milhões de euros até 2030.

O sector veterinário registou um crescimento sustentado apesar da crise e prevê-se que esta tendência se mantenha nos próximos anos, tal como refletido no Relatório Sectorial realizado e apresentado na semana passada pela Asociación Madrileña de Veterinarios de Animales de Compañía (Associação Madrilena de Veterinários de Animais de Companhia).AMVAC).

Segundo o documento, que é alimentado por várias fontes de dados externas à AMVAC, durante 2022, o volume de negócios do sector atingiu 2,3 mil milhões de euros, registando um aumento de 6%. O segmento dos cães e gatos foi responsável por 36,5% da produção de medicamentos.É, por isso, a secção mais importante para as empresas farmacêuticas.

O relatório revela que a atividade económica global do sector animal representa 1,98% do PIB de Espanha, o que equivale a 27,8 mil milhões de euros. Estima-se que existam mais de 6.700 clínicas veterinárias no país.A população de cães e gatos aumentou significativamente.

Em 2022, as clínicas veterinárias geraram mais de 2,3 mil milhões de euros de volume de negócios124.958 euros para as pequenas clínicas e 1.274.429 euros para as grandes clínicas. Além disso, este sector emprega mais de 40.120 pessoas e tem mais de 10.636 empresas.

 

Os desparasitantes, o medicamento mais vendido

Em termos de produção de medicamentos, o segmento de cães e gatos é o mais relevante, representando 36,5% da produção total. Os antiparasitários são os medicamentos mais fabricados e vendidos, com uma quota de 42,90% e um valor de 190,25 milhões de euros..

No canal clínicas veterinárias, os medicamentos biológicos são os mais consumidos, com uma quota de 28.39%. No canal farmácia, os antiparasitários externos lideram as vendas, seguidos dos medicamentos dermatológicos e dos antiparasitários internos. A Andaluzia destaca-se como a comunidade autónoma com o maior número de vendas de produtos veterinários nas farmácias..

Apesar do aumento do custo da mão de obra, o número de membros do sector veterinário aumentou.

No que se refere aos serviços veterinários, é difícil obter informações homogéneas das clínicas veterinárias. Em termos de despesas, observa-se que o pessoal representa uma percentagem superior à ideal (60% em vez de 40%), as despesas gerais também excedem o nível ideal (17% em vez de 10%) e as compras representam uma percentagem superior à desejada (40% em vez de 25%). Além disso, há preocupações quanto à falta de dados sobre a penetração dos animais segurados.estimadas em 5%, com um aumento previsto para os próximos anos.

 

30% dos veterinários consideraram a possibilidade de abandonar a profissão.

Sobre as perspectivas de emprego, apenas 26,71 PT3T de veterinários trabalham no sector público, enquanto 73,31 PT3T trabalham no sector privado.. A profissão de veterinário é predominantemente composta por mulheres (68%). Apesar do aumento do custo da mão de obra, o número de membros do sector veterinário tem vindo a crescer, com 30 336 pessoas empregadas no sector veterinário no último trimestre de 2022.

Em relação à saúde e ao bem-estar dos veterinários, destaca-se a preocupação com a síndrome de burnout na profissão. Foram realizadas numerosas consultas sobre o bem-estar dos veterinários clínicos, nomeadamente na Comunidade de Madrid.. As patologias associadas incluem síndromes de adaptação, ansiedade e depressão.

Igualmente, verificou-se que 30% dos veterinários consideraram a possibilidade de abandonar a profissão.o burnout é mais comum entre as mulheres. A Espanha está em segundo lugar, apenas atrás da Argentina, em termos de burnout no sector veterinário.

 

Aumento das despesas anuais por animal de companhia

Apesar dos desafios, o futuro parece promissor para o sector veterinário. Prevê-se que o crescimento anual seja de 8% (estimativa AMVAC)apoiado por um aumento do número de agregados familiares com animais de estimaçãoO aumento da população total de animais de companhia e o aumento das despesas anuais por animal de companhia.

Foi também o que afirmou José Luis Blázquez, membro do Conselho de Administração da AMVAC, em entrevista exclusiva ao QVET: "estima-se que o volume de negócios duplique aproximadamente neste período de dez anos, de 2020 a 2030". Um crescimento que, segundo Blázquez, aumentará as receitas do sector de "1,9 mil milhões para 3,8 mil milhões“.

A AMVAC estima que as clínicas empresariais serão responsáveis por 41% de volume de negócios até 2030, um crescimento significativo em comparação com os 18% actuais. Prevê-se que o sector atinja um volume de negócios total de 3,8 mil milhões de euros até 2030, em comparação com um volume de negócios de 1,4 mil milhões de euros em 2011. Apesar dos desafios, o sector veterinário continua a crescer e a consolidar a sua posição no panorama atual.

 

Acesso aqui ao relatório setorial publicado pela AMVAC

Subscrever a newsletter

Receber o nosso boletim informativo mensal e informações sobre o sector

Pode anular a sua subscrição em qualquer altura através da ligação na nossa newsletter.

Contacto